Advogada ofendida por juíza em audiência trabalhista será desagravada


16.05.14

Bertoluci assegurou que “não aceitaremos qualquer ato que pretenda violar as nossas prerrogativas, pois quando nós as defendemos, fazemos isso em nome do cidadão, a quem nós representamos".

Na luta intransigente contra a violação das prerrogativas, o Conselho Pleno da OAB/RS, na tarde desta sexta-feira (16), aprovou pedido de Desagravo Público à advogada Hevelin Franco Ferreira. A profissional foi ofendida no exercício da profissão, durante audiência trabalhista conduzida pela juíza da 15ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, Luísa Rumi Steibruch.

Conforme o processo, a magistrada questionou a advogada sobre a semelhança da sua petição, cujo texto referente aos honorários advocatícios teria sido “plagiado”. Após Hevelin ter explicado a situação, a juíza ofendeu a profissional, chamando-a de “péssima advogada”. Além disso, a magistrada perguntou ao cliente se ele gostaria de continuar com a mesma advogada, desferindo-lhe palavras humilhantes e ofensivas.

Segundo o relator do processo, conselheiro seccional Luís Alberto Machado, “a advogada foi ofendida em razão do exercício profissional, com afrontas irrogadas com repercussão na esfera pessoal e com relevância, a ponto tal de transbordar para a ofensa à advocacia como um todo. É necessário tornar pública a solidariedade à colega, bem como repudiar os atos da juíza, concedendo o pedido de Desagravo Público”.

O presidente da OAB/RS, Marcelo Bertoluci, assegurou que “não aceitaremos qualquer ato que pretenda violar as nossas prerrogativas, pois quando nós as defendemos, fazemos isso em nome do cidadão, a quem nós representamos".

Desagravo Público

O Desagravo Público é uma medida do Conselho Pleno da OAB/RS em favor de advogado que tenha sido ofendido no exercício da profissão ou em razão dela. É um instrumento de defesa dos direitos e das prerrogativas da advocacia. 

Juliana Jeziorny
Jornalista – MTB 15.416