Breier se reúne com entidades da advocacia trabalhista pela manutenção da ata escrita em audiências gravadas


19.07.21

O presidente da OAB/RS, Ricardo Breier, se reuniu com instituições representativas de advogados e advogadas trabalhistas para debater o Ato 45/2021, do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, na tarde desta segunda-feira (19). Especificamente, a razão do encontro foi para discutir e encontrar soluções para a decisão que veda a transcrição ou degravação dos depoimentos colhidos em audiências realizadas com gravação audiovisual.

Empenhado em buscar uma alternativa, Breier escutou a posição dos presentes e declarou que a Ordem gaúcha colocará todo o seu peso institucional para resolver a situação. “As atas escritas facilitam a leitura do relato da audiência, tornando mais rápida a localização dos pontos mais importantes. Sem ela, será necessário que o advogado ou advogada assista toda a audiência de novo, gastando um tempo que poderia ser usado para auxiliar o jurisdicionado. Tentaremos solucionar isso junto ao CNJ e, se for preciso, recorreremos ao Conselho Federal da OAB, cientes de que as entidades que representam a advocacia trabalhista estão ao nosso lado”, afirmou ele.

Estiveram presentes o presidente da Comissão Especial da Advocacia Trabalhista (CEAT), Fabricio Fay; o diretor-tesoureiro da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA/RS), Gustavo Juchem, que também é membro da CEAT; o presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de Empresas no Rio Grande do Sul (SATERGS), Camilo Gomes Macedo; e o presidente da Associação Gaúcha dos Advogados Trabalhistas do Rio Grande do Sul (AGETRA/RS), Felipe Carmona.

Reunião com presidente do TRT4

Na manhã da mesma data, Fay e Juchem estiveram reunidos com a presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), Carmen Izabel Gonzales, para apresentar a posição da OAB/RS diretamente à Corte. Após ouvir as manifestações sobre a Resolução, Carmen se mostrou favorável ao que foi dito, e garantiu que, para tentar atender o que foi solicitado, irá preparar uma Minuta para analisar o que poderá ser acolhido das reivindicações e, posteriormente, encaminhar ao Órgão Especial. “O TRT4 sempre ouve a advocacia. E quando há um problema, nós queremos resolvê-lo”, salientou.